Artigos

Família e Escola: uma relação para muito além de comercial

13
Jul

Em pleno século XXI, diante da realidade de trabalho e de vida que levamos, certamente contar com terceiros para auxiliar-nos nos cuidados com  os filhos  vai se tornando cada vez mais necessário. A maioria das famílias já não consegue se estruturar para a chegada dos filhos sem apoiar-se  numa ajuda externa – a avó, a babá, a tia, a escola.

Ocorre, porém, que a educação, enquanto processo de formação do sujeito e de seu caráter, de transmissão de valores, posturas e atitudes, acontece continuamente nas diferentes relações que a criança estabelece com os que com ela convivem. Desse modo, atribuir a outros a tarefa de cuidar, implica necessariamente, compartilhar com eles o ato de educar.

No que diz respeito à escola,  há tempos atrás, poucos a frequentavam  antes dos 7 anos. As crianças eram educadas em casa até essa idade  e depois iam para escola onde aprendiam a ler, escrever, contar, etc. A função educativa propriamente dita era exercida pela família, que se responsabilizava pela formação moral, transmissão de valores religiosos, éticos e posturas.

Esse cenário foi historicamente sofrendo alterações (mais intensas desde o final do último século) e hoje, as crianças frequentam instituições educativas desde muitíssimo cedo, algumas desde os 4 meses de vida. Normalmente essas instituições são particulares ou vinculadas à empresa onde os pais trabalham. As creches públicas são poucas e atendem a uma parte bastante pequena da população. Da creche ou berçário, as crianças já ingressam na educação infantil e assim progressivamente até o ensino médio. Não é errado afirmarmos portanto, que a escola acaba se transformando num parceiro importantíssimo no que diz respeito à formação e educação de nossos filhos. Apesar disso, não podemos nos enganar: a família é o mais importante agente de formação e educação dos filhos. A escola, por mais que se empenhe, sempre terá um papel secundário na formação do caráter e transmissão de valores aos pequenos, aliás, ainda bem – pois isso permite que, se a família exercer bem seu papel,  não se surpreenda com alguém “desconhecido” vivendo sob o mesmo teto.

A parceria entre familia e escola precisa se fortalecer de modo claro e bem estabelecido para que os resultados do processo educativo sejam alcançados. Nenhuma das partes pode declinar de suas funções e responsabilidades.  O que a escola nos oferece é muitíssimo mais do que um serviço qualquer pelo qual pagamos e usufruímos. O que ela nos oferece é toda uma filosofia, uma postura, uma estrutura educativa que contribuirá na vida daqueles que amamos. É preciso muita responsabilidade para escolhermos esse parceiro, é preciso nos dedicarmos a conhecer quem são os profissionais envolvidos, o que pensam sobre educação, que valores propõe, como conduzem o processo, para que possamos escolher aquilo que, de fato, acreditamos ser o melhor para os nossos. Antes mesmo disso, é necessário termos em mente que tipo de pessoas queremos formar. É preciso planejarmos a educação dos nossos filhos e aí sim, sairmos em busca do parceiro que melhor tem condições de nos auxiliar nessa missão. Se a escola muda a conduta para atender aos diferentes desejos ou expectativas, cuidado, talvez não hajam valores bem estabelecidos sustentando essa instituição.

Para muito além de um vínculo comercial, de prestação de serviço, há que se formar um vínculo de confiança, de luta por objetivos comuns em torno desses pequenos sujeitos em formação. Um vínculo onde haja respeito, diálogo, aprendizagens mútuas na aventura  difícil e encantadora de formar pessoas.

Simone Cabral Fuzaro
(Fonoaudióloga e Educadora; Mestre em Educação/Distúrbios da Comunicação - PUC/SP
Especialista em linguagem; Coordenadora da Escola de Educação Infantil Pedrita; Articulista do jornal O São Paulo - coluna Comportamento)


Disponível em: Portal IBF - Instituto Brasileiro de Família - http://portalibf.org.br/familia-e-escola-uma-relacao-para-muito-alem-de-comercial/ e http://educandonacao.com.br/familia-e-escola-uma-relacao-para-muito-alem-de-comercial/#

   
  Compartilhar no WhatsApp